Uma semana de okupacao

Uma semana de okupacao

Vos escreve-mos desde a casa okupada Mas Castelló, perto de Orriols.

Continuando  com a energía e a ilusao que saiu desde a acampada contra a MAT que se fez em Fellines, okupa-mos um espaco para dar continuidade a luta contra a MAT, gerando um ponto de encontro para compartir experiencias de lutas e viver em colectivo que escapa aos esquemas impostos por uma sociedade de consumo.

O listado das lutas em defensa do territorio e muito extenso: empresarios e multinacionais com irresponsabilidade ilimitada querem construir todo tipo de infrastruturas nocivas, saqueando os poucos recursos naturais que restam e destruindo irreparavel-mente todo o que encontra a seu passo, em nome do beneficio e da sua diabolica idea de progreso.

Nestas semanas, desde a acampada ate a okupacao, se falou das lutas em contra a TAV em Val de Susa (Italia) e em Euskal Herria, da mineira a ceu aberto de Laciana em León, do macro-aeroporto de Notre-Dame de Landes perto de Nantes em Franca (ZAD), do THT (a MAT em Franca) e do sistema tecno-nuclear em Normandia, da mina de ouro em Rosia Montana (Romania), uma batalha que o povo da Romania acaba de vencer depois de décadas de luta, as mobilizacoes contra as empresas petrolíferas que saqueam e destroem a Amazonia, a linha de Alta tensao em Valle d’Albaida (Valencia), o intento de devastacao da montanha perto de Tsalonika, a mobilizacao em  Granada contra a construccao de uma circunvacao/auto-estrada.

Mas Castelló, que leva varios anos vazia e estava num estado de completo abandono, e um espaco colectivo onde todos podem trazer o que quiserem, ideas, energía, vontades e questoes. Esta okupacao nao e um fim, mas sim um meio para dar novos impulsos e retomar a luta contra a MAT, para contactar e participar com as outras lutas por a defensa do territorio contra os macro projectos destructores e o mundo/sociedade que os sustentam e precisam deles.

Queremos que a casa se encha de vida e de energías, que se construam workshops e se difundam práticas para aprender uns com os otros, compartindo conhecimentos e experiencias, que se reconstruam os espacos a medida das necesidades que encontre-mos juntos, para libertar as nossas vidas da ampatía reinante imposta com codigos e obrigacoes que nunca quisemos.

Continua-mos animados para continuar este projecto e convidamos a todos a pasar por a casa e a participar.

Porque a casa e de quem a vive, respeita e comparte, para fortalecer as nossas relacoes de forma horizontal, sem hierarquias nem liders ou representantes e enlacar lacos mais estreitos reactivando as lutas por o territorio com muita mais forca e corajem.

“La casa è di chi l’abita
è un vile chi lo ignora
il tempo è dei filosofi
la terra è di chi la lavora.”

Os okupas livres e selvagens de Mas Castelló